Postagem em destaque

CONHEÇA A CÂMARA EXTERNA DA ORDEM ROSACRUZ, AMORC

Caro Buscador, Seja bem-vindo à Câmara Externa da Antiga e Mística Ordem ROSACRUZ, AMORC! Esta modalidade de aproximação...

domingo, 24 de janeiro de 2016

OS TEMPLÁRIOS E O PERGAMINHO DE CHINON



 OsTemplários e o Pergaminho de Chinon:


 Encontrado nos Arquivos Secretos do Vaticano
.
Chinon era a cidade francesa que ocorreu um dos episódios mais importantes envolvendo o julgamento dos templários, foi o local que o Rei Felipe aprisionou os lideres templários incluindo o grão-mestre Jacques de Molay. Lá foram torturados até supostamente confessarem as acusações de heresia e blasfêmia. Foi então que o Rei Felipe divulgou à toda Europa a confissão do grão-mestre e do restante dos membros da ordem o que rapidamente causou um espanto em todos que recebiam a informação, pois até então os templários tinham uma reputação ilibada. Por conseqüência, ocorreu um verdadeiro caos social e começaram a surgir movimentos contrários aos templários. 



Em resumo dos acontecimentos, Jaques de Molay e os outros lideres, declararam que não suportaram as acusações e foram obrigados a confessar. Foi então que o Papa absolveu os Templários. A absolvição resultou num documento redigido pelo Próprio Papa conhecido como “O PERGAMINHO DE CHINON”.


Ao trazer para o público um pouco da história dos Templários, Barbara Frale aborda o tema sob uma nova perspectiva. Para elaborar este trabalho, ela utilizou, entre outras fontes, o Pergaminho de Chinon, encontrado recentemente - após 700 anos - nos Arquivos Secretos do Vaticano. 

 ACUSAÇÕES DE HERESIAS 
 COM A FRAGILIDADE DE CLEMENTE V TOTALMENTE DEPENDENTE DE FELIPE ( O BELO ) VOLTARAM AS ACUSAÇÕES DE HERESIAS CONTRA OS TEMPLARIOS

 PRINCIPAIS ACUSAÇÕES: 

• NEGAR CRISTO, QUANDO ADMITIDOS NA ORDEM 
                                                    ( DANDO TAPAS E CUSPINDO NA CRUZ )
• JURAVAM NÃO REVELAR O QUE ERA DITO QUANDO NA SUA ADMISSÃO NA ORDEM 
• TROCAVAM BEIJOS OBSCENOS NA ADMISSÃO 
• NÃO ACREDITAVA EM NENHUM SAGRAMENTO DA IGREJA , INCLUINDO NA MISSA
• O GRÃO MESTRE, O SUPERVISOR E O COMENDADOR PODIAM ABSOLVER DOS SEUS PECADOS ( ATRIBUTO EXCLUSIVOS DOS PADRES ORDENADOS ) 
• ADORAVAM UM GATO
• PRATICAVAM SODOMIA E HOMOSSEXUALISMO
• NÃO FAZIAM AÇÕES DE CARIDADE E NEM PRATICAVAM A HOSPITALARIA
• REALIZAVAM REUNIÕES SIGILOSAS A NOITE NO CAPÍTULO 
• VENERAVAM UMA CABEÇA BARBADA COM DOIS CHIFRES ( BAPHOMET ) 

O PERGAMINHO DE CHINON

Esse documento comprova que o Papa Clemente V redigiu uma bula na qual perdoava os Templários das acusações que lhes foram atribuídas, mas o fato foi ignorado na época e é revelado somente agora, sete séculos após o fim trágico dos Templários.


("Não para nós, Senhor, não para nós,
mas para 
Glória de Teu Nome").
Estranhamente esse documento se perdeu, a sua existência não passavam de suposições.mas foi encontrado em 2004 pela pela pesquisadora italiana Bárbara Frale, residente da Escola de Paleontologia do Vaticano. Mais estranho ainda, foi a declaração que esse documento foi descoberto nos arquivos secretos do Vaticano, pois não estava devidamente catalogado. A tradução literal do pergaminho foi publicada pelo vaticano apenas em 2007 e parte daquele documento assim mencionava:

“Castelo de Chion em 20 de agosto de 1.308, na nossa presença e algumas testemunhas, o irmão-cavaleiro Jacques de Molay, grão-mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, compareceu pessoalmente e jurou da forma e da maneira indicada, tendo sido diligentemente questionado, disse que a 42 anos fora recebido como irmão da ordem supra... Disse também que a renuncia foi feita em palavras mas não em espirito. Quanto ao mistério de sodomia, a adoração da cabeça e a pratica de beijos ilícitos, ele, ao ser questionado diligentemente, disse que nada sabia sobre isso. Depois disso, decidimos estender a misericordia da absolvição por esses atos ao irmão Jacques de Molay, grão-mestre da dita Ordem”

 Tal documento foi a prova apresentada pelo Vaticano de que a igreja não foi favorável a erradicação dos Cavaleiros Templários.

EXTERMÍNIO

Os que confessarão novamente as acusações foram submetidos à prisão perpétua, outros menos importantes ou que nada tinham a confessar foram mandados para mosteiros e lá ficaram pelo resto da vida. Os líderes, incluindo o grão-mestre, tiveram que esperar até o dia 18 de março de 1.314. Naquele dia a sentença foi dada, com base nas confissões anteriores, distorcidas pela coroa francesa, quatro lideres foram condenados a punições cruéis e perpétuas – apodrecer na prisão sem alimentos até que a morte lenta os libertassem. O Grão-mestre Jacques de Molay e o Mestre da Normandia Godofredo de Charney, ficaram presos nas masmorras reais durante 7 anos e se recusaram ao encarceramento perpétuo e gritavam com todas as suas forças a inocência dos templários e sua pura e sagrada devoção a Deus. Foram levados para ilha de Javiaux, pequena ilha no Sena a leste de Notre Dame, amarrados em estacas, foram incendiados vivos.

A VINGANÇA DO GRÃO-MESTRE

 O único relato ocular registrado foi de um monge anônimo, que nos diz que ele caminhou para a morte com tranquilidade e dedicação e ao ser envolvido pelas chamas ele jurou vingança e desafiou o Rei e o Papa a enfrentá-lo no tribunal de Deus no prazo de um ano e um dia. Curiosamente, em menos de 5 semanas, em 20 de abril, o Papa  Clemente V morreu e naquele mesmo ano no dia 29 de novembro, decorrente de uma queda de cavalo, o Rei Felipe IV também morreu. 

OS TEMPLÁRIOS SOBREVIVENTES E A MAÇONARIA


SÍMBOLOS
 MANTO BRANCO = SIGNIFICANDO PUREZA
 CAVALO COM DOIS CAVALEIROS = SIGNIFICA A POBREZA
 CRUZ VERMELHA COM OS QUATRO LADOS IGUAIS = REPRESENTA EQUILÍBRIO MATERIAL COM ESPIRITUAL.

Fato que diversos países não concordaram com a atitude do Rei da França e não lançaram campanha para perseguição dos templários. Que se absteve ou prestaram refúgio para os cavaleiros foram Portugal e Escócia. O Rei de Portugal – Dinis – restituiu a Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, que em sua essência eram os templários com outro nome e com outros interesses, em específico, passaram a servir os interesses da coroa Portuguesa. Em 1.418 foi nomeado grão-mestre da ordem o príncipe Henrique, que fundou a escola de navegação de Sagres, quando se deu início as viagens exploratórias. A parte interessante nessa história é as embarcações portuguesas que levavam em suas velas o símbolo dos templários, a cruz vermelha, sendo, portanto, inegável relação entre a nova ordem e os cavaleiros da idade média. A rumores que a Escócia recebeu a ajuda dos cavaleiros templários na batalha de Bannockburn, que lutava pela independência escocesa. Uma tropa de templários invadiu a Inglaterra em momento decisivo e garantiu a vitória aos escoceses. Em gratidão, foram protegidos pela Escócia e foram assimilados a uma nova ordem, a dos maçons.



 Fato absolutamente controvertido entre os estudiosos é a da Capela de Rosslyn, que associa a escócia aos templários e aos maçons. A construção da Capela se deu em 1.456, num lugar de um antigo templo que dizem se tratar de uma cópia arquitetônica perfeita do Templo de Salomão. O simbolismo e esculturas da capela são surpreendentes, como pilares retratando a cópia exata da coluna de Boaz, figuras representando o sementes de milho, e em síntese, um lugar que serviu de esconderijo para abrigar os segredos da ordem.

Fonte: blog – cavaleiros do templo
                    - pt.slideshare.net
                    - reisalomao1561.blogspot.com





Nenhum comentário:

Postar um comentário